A Dell anunciou seu ulltrabook da linha corporativa, o Latitude 6430u.

O Latitude 6430u foi desenvolvido para rodar o mais novo sistema operacional da Microsoft. Seu foco é o segmento corporativo, voltado para a produção. Sua construção é sólida como a do seu irmão E6430, o Latitude 6430u possui certificado MIL-STD-810G, sendo  resistente à vibrações, choques, variação de temperatura e altitude. O teclado também é resistente a derramentos acidentais de líquidos.

O Latitude 6430u possui tela de 14” com resolução de 1366×768, pode ser equipado com os processadores Ivy Bridge i3,i5 ou i7, suporta até 8GB de memória RAM e o usuário poderá escolher entre até 256GB SSD para o armazenamento. Ele irá rodar a versão Professional do Windows 8 (x64), sua carcaça é feita de liga de magnésio, pesa 1,69Kg e sua espessura máxima é de 21mm. Ele é 33% mais fino e 16% mais leve que seu irmão E6430. Possui teclado retroiluminado, botões dedicados no touchpad além dos 2 botões convencionais, e uma trackpoint (semelhante a utilizada nos modelos ThinkPad). Possui três portas USB sendo duas 3.0, eSata, Ethernet (Gigabit), HDMI, saídaVGA,  Wi-Fi 802.11 b/g/n , Blueotooth e um botão físico para desligar as conexões sem fio,

 

Um dos grandes diferenciais é sua bateria removível, o que não é nada comum em ultrabooks. Você poderá substituir a bateria após atingir seu ciclo ou andar com uma bateria extra, caso fique muito tempo longe da tomada. A Dell alega que a autonomia é de até 10 horas de uso contínuo.

Seu lançamento será na mesma época que o Windows 8, podemos esperá-lo para outubro de 2012, a Dell não divulgou preços e não há  informações se o modelo será disponibilizado no Brasil.

Com a entrada dos Ultrabooks no segmento corporativo, eles deixam de ser um modismo e se consolidam de vez no mercado. O futuro da computação pessoal é fino, leve, e potente. Este modelo me agradou muito e espero que a Dell invista mais em modelos voltados para o público, e é claro, tragam para o Brasil a preços justos.

Fonte e imangens: PC Pro

Vídeo: The Inquirer

 

Deixe uma resposta