Oi continua no vermelho e prejuízo chega a R$ 5,7 bilhões

A operadora de telefonia OI, que há tempos já vem evitando decretar falência oficialmente, operando sempre no vermelho, acaba de ficar com a situação ainda pior. Depois de atrasar alguns meses, foi divulgado nesta segunda-feira (2) que o prejuízo da empresa aumentou neste terceiro trimestre de 2019 e chegou a R$ 5,78 bilhões.

Este valor é 330% maior que o prejuízo relatado no mesmo período do ano passado, que já era bastante alto, somando R$ 1,3 bilhão. Fora que além do aumento da dívida, o faturamento caiu. Segundo este mesmo relatório, sua receita líquida foi para R$ 5 bilhões, uma queda de 8,8% em relação a 2018 e 1,8% em relação ao segundo trimestre de 2019.

O resultado ainda foi prejudicado pois a Oi ainda fez um impairment de mais de R$ 3 bilhões no trimestre. Este resultado foi ligeiramente compensado pelo ganho de R$ 531 milhões com créditos fiscais relacionados a PIS e Cofins.

Uma parte de seu prejuízo atual é motivado pela valorização do dólar no período do terceiro trimestre, devido ao impacto sobre a dívida na moeda estrangeira.

Além disso, a empresa tem sua dívida líquida aumentada também: R$ 14,7 bilhões, totalizando 34,1%. Com relação aos negócios, nada positivo também. Os clientes de telefonia fixa, banda larga, TV paga em residências e clientes de pré-pago também caíram neste trimestre. Houve aumento de clientes apenas na internet fibra, e também na parte de pós-pago.

A Oi vem, desde 2016, lutando na justiça com pedido para evitar a falência. Atualmente, ela tenta negociar sua divisão de telefonia móvel, e a principal interessada é a Telefônica, que é dona da concorrente Vivo.

E vocês caros leitores, tem algum produto da Oi? Acham que a operadora deixou a desejar em relação a qualidade do serviço? Contem pra gente nos comentários.

1 COMENTÁRIO

  1. Tenho um pós pago da Oi, não tenho nada a reclamar, haja vista que o 4G é constante, em termos de velocidade supera a Tim e a Vivo, só não supera a velocidade da Claro, mas em qualidade de voz supera todas, mas essa é a realidade da cidade que moro(Quirinópolis – Goiás), esse negócio de operadora nacional tinha que mudar, pois em cada município brasileiro existe uma realidade diferente, no que tange à telefonia móvel.

Deixe uma resposta